MELODRAMA
Palavras podem quebrar uma pessoa em milhões de pedaços, mas elas também podem juntá-los novamente. Eu espero que vocês usem suas palavras para o bem, porque as únicas palavras que você vai se arrepender mais do que as que você não falou, são aquelas que você usou para machucar alguém intencionalmente. Há um tempo para silêncio. Há um tempo para esperar a sua vez. Eu não acho que você deve esperar, você deveria falar agora.

Bad Blood 2.0 | 40° Capítulo.


- Taylor Swift? – Gritou. – Sou detetive John Mayer, podemos conversar?
- Agora? – Perguntei olhando ao Ed. – Do que se trata?
- Nada oficial. – Ele respondeu. – Sendo sincero violei leis por ter seguido vocês até aqui.
- Porque está falando isso? – Perguntei na defensiva.
- Taylor não podemos falar com eles sem nossos advogados. Já vi ele com a nova detetive. – Ed.
- Eu só quero saber porque você veio visitar o tumulo de Harry só hoje. Fiquei curioso com isso. – Detetive John sorriu. – Eu fico intrigado com você, Taylor. Realmente sinto que muita coisa sobre você passa batido.
- O que quer dizer com isso? – Perguntei receosa.
- Meus irmãos, Theo James, Harry Styles, Professor Jacob...
- O que está insinuando com isso? Está tentando dizer algo sobre Taylor? – Ed tentou me defender.
- Não disse nada além de nomes, o que quero entender é onde pessoas tão singulares conseguem encaixar na sua história. – John respondeu sorrindo. – Como disse não estou aqui oficialmente, só quero conversar e tentar te ajudar.
- Não devo nada a ninguém, detetive John. – Respondi.
- Minha chefe acha que você deve muito a justiça e está disposta a caça-la, mas eu não vejo culpa em você.... Existe algo, mas não é culpa e se não for culpa... O que é? – John. – Eu quero resolver esse caso porque sinto que ele já passou dos limites, mas eu preciso de sua ajuda para isso.
- Tudo que eu sei já falei com autoridades, não tenho mais nada a dizer. – Falei.
Ed pegou no meu braço e levou-me até o carro. O detetive continuou parado na entrada do cemitério.
- O que está acontecendo? – Ed estourou de nervoso.
- Ed, ele está olhando. Vamos conversar mais tarde sobre isso. – Falei sorrindo disfarçadamente.
- Ele disse que aquela maluca da Katheryn quer caçar você. – Ed.
- Não tenho medo. – Respondi.

***

- Vejo falhas em acusar a réu pela parte da promotoria. Ao meu ver, não há nenhuma prova contra Vanessa Anne Hudgens que determine que ela venha a ser um perigo constante a ordem pública ou até mesmo se ela é autora dos crimes que vem sendo acusada. – A Juíza falou. – Peço a liberdade imediata da acusada.

***

 - Demi, você está bem? – Perguntei ao parar em sua frente.
- Você realmente se importa, Liam? – Demi riu.
- Sim, sempre me importei com seu bem-estar. – Olhei para os lados. – Não venho com nenhuma maldade, só pensei que você precisava... conversar.
- Não podemos conversar em público, não mais. – Demi respondeu.
- Quando eu disse que sentia sua falta, disse a verdade. – Coloquei as mãos no bolso. – Se um dia quiser conversar comigo ou precisar de mim novamente...

Segui em frente e Demi me chamou em voz alta, olhei para trás e ela estava vermelha de vergonha. Voltei rapidamente e mantive distância.

- Hoje não posso. – Ela respondeu minha pergunta. – Domingo me encontre no estacionamento dos torcedores perto do campo de manhã.
- O que quer fazer? – Perguntei.
- Conversar. – Demi. – Você sabe... não posso contar com Joe com algumas coisas.
- De manhã? – Perguntei.
- Sim. – Demi confirmou.
- Demi, você sente minha falta? – Perguntei.
- Às vezes... – Ela respondeu com leve sorriso. – Eu superei você quase que completo.
- Você vai me usar para seu benefício próprio? – Perguntei.
- Não é minha intenção. – Demi respondeu seria. – E a sua?
- Também não é. – Sorrimos um para outro.
- Então, não temos o que se preocupar. – Demi falou.
- E Joe? – Lembrei.
- Ele não está em Filadélfia. Tem uma reunião em família. – Demi explicou de longe.

***

- Demetria mandou você até aqui? – Perguntei ao entrar em minha sala e ser seguida.
- Não, mas gostaria de conversar com você. Podemos? – Perguntou.
- Joe, não tenho nada o que conversar com você ou com Demetria. – Respondi.
- Cher, sua irmã tem tanto arrependimento do que fez e ela é castigada diariamente pelo o que fez. – Joe tentou argumentar. – Atenda ela para entender o lado dela.
- Eu não gosto e não quero falar sobre isso com você ou com qualquer outra pessoa! – Gritei. – Imagine eu e você namorando, mas eu traio você com seu irmão e nos jantares de familiar fingirmos que somos só bons cunhados. Você ia aceitar isso bem? – Perguntei nervosa. – Ninguém iria aceitar isso ou perdoar.
- Mas o Liam foi um caf...
- Demetria tinha total consciência dos seus atos e se hoje tem arrependimento é por não ser tão bem vista como era. Ela traiu minha confiança e respeito! – Passei a mão na minha roupa de nervoso. – Ela é chamada de vadia por atos que ela fez, eu fui chamada de idiota, burra, chifruda até sair de lá por algo que ela fez.
- Ela errou, não digo o contrário, mas acredito que você possa perdoa-la. – Joe.
- Fico muito admirada você ter participado disso. – Sorri. – Depois que tudo isso vazou, eu lembrei do dia que ela te beijou na porta do quarto e eu pensei comigo mesma “Desde quando Demi e Joe estão juntos? ” e você aceitou isso quieto ao invés de contar para mim e ter poupado o escândalo.
- Achei que ela iria terminar logo assim como fez isso e já estávamos juntos quando vazou todo isso. Demi errou com você, mas tinha o Liam, detetive Johnny que colocou Demi em más lençóis.
- Joe, você é burro? – Comecei a rir. – Demi é apaixonada pelo Liam. Ela não iria colocar tudo a perder se não tivesse certeza do que sente e sinceramente ela pode gostar de você pelo o que faz por ela hoje que está sozinha, mas quem ela gosta mesmo é de Liam. – Continuei rindo. – Demi é uma garota ruim e eu posso afirmar isso por ter crescido com ela e ter me negado a enxergar. Ela é má.

Arrumei minha bolsa e peguei minha maleta de costura. Joe estava parado sem piscar ou mover um musculo.

- Sinto muito por você, Joe. Por ter voado até aqui, mas você é estupido. – Falei. – Sinto muito.

***

- Como vou contar a ele que vou embora? – Emma perguntou com um olhar triste.
- Theo é forte, ele vai saber lidar com isso. – Respondi.
- Eu não quero ir e deixa-lo nessa bagunça quando ela finalmente confiou em mim. – Emma.
- Emma, você tem uma oportunidade de ir estudar na França por seis meses. Theo acima de todos irá entender isso melhor do que ninguém. – Abracei-a. – E você não pode ficar em um assunto que não está envolvida, digo isso para seu próprio bem.
- Irá cuidar dele? – Ela perguntou.
- Apesar dele cuidar de mim, sim... vou cuidar. – Respondi rindo.
- Taylor, quero que me responda se um dia gostou do Theo. – Emma.
- Eu amo o Theo como amigo e meus sentimentos por ele nunca ultrapassou disso. – Respondi pensativa. – E ele tem o mesmo sentimento por mim e eu posso te dizer que ele ama você tanto. Os gestos dele de demonstração são péssimos, já disse isso a ele, mas ele confiou em você para dizer a verdade sobre nós e isso é tudo que ele poderia fazer.

2 comentários:

  1. Olá!
    Os meus suspeitos voltaram! Finalmente! Eu não sei o que pensar da Demi, muito sinceramente. Eu já pensei que ela fosse a assassina da Lily, mas achei que ter traído a irmã com o namorado dela já fosse mau o suficiente para ela ser também a assassina.
    Quanto a Emma: lembro de ter falado que suspeitava dela, mas agora não imagino.
    E eu adorei a Vanessa ter saído em liberdade! Acho que é agora que se irá descobrir o assassino da Lily. E eu espero que um dos meus suspeitos seja o assassino!
    Estou muito curiosa para o próximo, principalmente agora que a Vanessa está livre. Quero ver o que ela vai fazer!

    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, eles voltaram e nessa reta final os capítulos ficarão maiores para dar destaque a todos eles. Gostaria de responder todas suas perguntas e teorias, mas não posso haha.
      Irei postar o próximo capitulo.
      Beijos, Mirela (gyllenswift.blogspot.com.br)

      Excluir

Leitura Rápida
Blogroll
layout feito por Roh a.ramos todos os direitos estão reservados © 2017.